Como prevenir os cálculos renais, enfim. É o que os leitores do blog decerto esperam após os textos: Cálculos Renais – Por que tenho? Causas dos Cálculos Renais e Cálculos Renais não são somente de Cálcio. Se você ainda não leu os posts acima, então aproveite e clique nos links para saber mais.

Contudo, antes de entrar nas considerações sobre os cuidados e medicações utilizadas na prevenção dos cálculos renais, gostaria de falar sobre um último fator importante na formação dos cálculos. Ademais, citarei outras influências no aparecimento das pedras nos rins.

Citrato

Em contraste com os outros fatores que impactam a formação dos cálculos, o citrato constitui uma condição protetora. Em princípio, a hipocitratúria, ou seja, concentração baixa de citrato na urina, é razão para desenvolvimento de litíase renal em 10-50% dos casos. Não apenas isoladamente, em 10% das vezes, como também em associação com outros motivos em outras 20-60%.

Por certo o estado ácido-básico é determinante na excreção de citratos. Digo isso posto que a acidose aumenta reabsorção de citrato no rim e, portanto, diminui sua excreção na urina. Em resumo, as principais causas da hipocitratúria são:

  • Acidose tubular renal.
  • Diarreias crônicas, porque leva a perda de álcalis.
  • Excesso de proteína animal, pois isso gera sobrecarga de ácidos.
  • Exercícios extenuantes, que tem por consequência produção de ácido láctico.
  • Algumas medicações, por exemplo Tiazídicos e Enalapril.

Uma vez que as frutas cítricas são ricas em citrato, sua ingestão regular é recomendável na prevenção das pedras nos rins.

Frutas cítricas: laranja, limão, tangerina, morango, kiwi, abacaxi, caju, acerola, jabuticaba, romã, pêssego e uva

Outras razões para ter cálculos

Por último citarei causas que condicionam a litíase urinária, porém com menos impacto:

Metabólicas: acidose tubular renal, hipomagnesiúria, cistinúria e cálculos relacionados a infecções.

Anatômicas: Obstrução da Junção Uretero-piélica, rim em ferradura, divertículo calicinal, Rim esponjo medular.

Gestação: em princípio pode haver uma obstrução parcial do ureter pelo útero e diminuição da sua mobilidade pela progesterona. Em segundo lugar, fatores metabólicos modificam-se: aumento de sódio, cálcio e ácido úrico na urina. Mas também de fatores protetores: citrato, magnésio e glicoproteínas.

Como prevenir os cálculos renais

Anteriormente, quando falamos sobre as causas dos cálculos renais, também exploramos um pouco a prevenção. Portanto, o que farei agora é um resumo das recomendações e acrescentarei alguns detalhes. Por último comentarei um pouco sobre medicações.

Como prevenir os cálculos renais – Água, água, muita água. E também cítricos.

Ingerir líquidos, sobretudo água, é altamente impactante na formação de cálculos. Conforme descrito no texto anterior, o simples fato do urologista orientar seus pacientes a ingerir líquidos, diminuiu de fato a recorrência de cálculos renais de 27% para 12%.

Como regra geral deve-se ingerir, em princípio, 2 litros de líquidos por dia. Apesar de haver pesquisas, a dureza da água é assunto controverso. Água com gás e cítricos, por outro lado, oferecem benefícios. Então não esqueça dos sucos de laranja, limão, tangerina, morango, kiwi, abacaxi, caju, acerola, jabuticaba, pêssego e uva.

Como prevenir os cálculos renais – Proteínas

Com toda certeza a proteína entrou no radar de muitos leitores do Blog. Consoante ao que já escrevemos, muita proteína aumenta a excreção renal de cálcio, oxalato e ácido úrico. Ressalto, contudo, que não se deve abandonar ou realizar restrições extremas de proteínas. A ideia é um consumo moderado, para que não ocorra um excesso e desse modo potencialize a constituição das pedras.

Alimentos com alto teor de proteína.
Animal: Carne, ovos, iogurte, leite e queijo
Vegetal: Soja, lentilha, feijão, grão de bico e castanhas.

Como prevenir os cálculos renais – Sódio

Similarmente às proteínas, o sódio também era desconhecido da maioria como agente gerador de cálculos. Ele, afinal, aumenta a excreção de cálcio e diminui a de citrato na urina. Portanto, modere seu consumo de sal.

Outros fatores

As orientações acima citadas são de suma importância. Assim, se realizadas em conjunto, promovem diminuição das recorrências de pedras em 50%. Porém vamos a outras condições que influenciam o surgimento das pedras nos rins:

Obesidade: é um fator independente que propicia cálculos e, aliás, é mais pronunciado em mulheres.

Dietas para perda de peso: pouco carboidrato e muita proteína aumentam risco de litíase.

Cálcio: a recomendação é manter uma ingesta moderada, pois a restrição aumenta absorção de oxalato e leva a formação de cálculos.

Medicações

As medicações para tratar a litíase recorrente devem ser indicadas por um médico. Por conseguinte, citarei o racional do uso, porém não recomendo que elas sejam iniciadas por conta própria.

Hipercalciúria absortiva: tiazídicos não tratam a causa, contudo diminuem a excreção de cálcio. Portanto o cálcio continua a ser absorvido e assim, é armazenado no osso. Após algum tempo há uma estabilização da densidade óssea e, mesmo com o tiazídico, o cálcio passa e ser excretado no rim. Destarte seu efeito é mitigado.

Hipercalciúria Renal: tiazídico é primeira linha e, em contrapartida a hipercalciúria absortiva, a causa é tratada.

Hiperuricosúria: Citrato de potássio é utilizado por seu efeito alcalizinador na urina. Também oferece os benefícios protetores do citrato. Pacientes com cálculos de cálcio por hiperuricosúria também se beneficiam.

Cistinúria: o objetivo, em princípio, é aumentar solubilidade da cistina. Com esse intuito são utilizados d-penicilidamina, mercaptopurina e captopril.

Com toda certeza temos substrato, agora, para melhorar nossos hábitos e assim prevenir os cálculos renais. Há ainda fatores hereditários e adquiridos que não temos controle, porém faremos o que estiver em nosso alcance para evitar essa terrível e dolorosa doença. Ademais o IUP sempre está disponível para mais orientações e tratamento da litíase. Lembre-se e, eventualmente, recorde as informações sobre pedras nos rins no Blog de Urologia.

consulta

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *