A dificuldade para ter filhos é mais comum do que se imagina. De cada seis casais, um terá dificuldade para engravidar. E, ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, a mulher não é a principal responsável pelos problemas de fertilidade. Na verdade, homens e mulheres têm a mesma probabilidade de serem inférteis. O homem é o responsável em cerca de 30% das vezes e, a mulher, em outros 30%. Em mais 30% das vezes, os dois parceiros possuem problemas que impedem a gravidez. Ainda em 10% dos casos, não é possível definir o motivo da infertilidade do casal.

Conforme alguns estudos publicados por profissionais ligados a bancos de sêmen apontam, há uma piora importante na qualidade do sêmen humano nas últimas décadas.

Por que a infertilidade aumenta?

Em primeiro lugar, os jovens estão cada vez mais cedo em contato com bebidas alcoólicas, bem como com o cigarro. Ademais, o número de pacientes obesos, principalmente jovens, tem aumentado de maneira alarmante em países desenvolvidos ou em desenvolvimento. Da mesma maneira a exposição à poluição também é cada vez maior em grandes centros urbanos. Outro fator que tem sido estudado é a influência do estresse da vida moderna sobre a fertilidade. Assim, jornadas de trabalho cada vez maiores, maior pressão psicológica no ambiente de trabalho, menor quantidade e qualidade de sono, têm se mostrado elementos prejudiciais à fertilidade masculina.

infertilidade

Assim sendo, mudanças na qualidade de vida, incluindo uma alimentação saudável e balanceada, a prática de atividades físicas e a eliminação do consumo de álcool e drogas, podem trazer efeitos benéficos.

Quais as principais causas da infertilidade masculina?

A propósito, existem problemas relativos especificamente ao aparelho reprodutor do homem, tais como:

►Varicocele: presente em cerca de 40% dos homens com alterações seminais, é uma dilatação das veias do testículo, formando ‘varizes’ ao seu redor. Com efeito, o sangue fica represado, levando ao aumento da temperatura testicular, diminuição da oxigenação, aumento da liberação de radicais livres, entre outros mecanismos envolvidos. Como consequência, pode ocorrer diminuição da produção, da movimentação e do funcionamento dos espermatozoides. O tratamento é cirúrgico pelo urologista, com a remoção das varizes escrotais, e o índice de sucesso é alto. Cerca de 70% dos pacientes apresenta alguma melhora dos parâmetros seminais após alguns meses da cirurgia.
►Criptorquidia: patologia na qual o testículo não desce corretamente da cavidade abdominal (onde se desenvolve na vida intrauterina) para o escroto. Deve ser corrigida na infância, por meio de cirurgia para evitar diminuição acentuada na qualidade do sêmen. Cerca de 6% dos homens inférteis tiveram problemas nos testículos quando crianças. 


Obstruções nos canais que transportam os espermatozoides também podem deixar o homem estéril. Elas advêm de infecções, especialmente urinárias, e doenças sexualmente transmissíveis, genéticas ou congênitas. Além disso, também são causas determinados problemas hormonais, cirurgias na bexiga, próstata ou outros órgãos do aparelho urinário, radioterapia e quimioterapia para o tratamento de diversos tipos de câncer.

Existem casos de infertilidade em que não se chega a uma causa?

Por outro lado existem casos de infertilidade masculina não têm origem definida com exatidão. Existem tratamentos empíricos para essa condição, baseados em conceitos teóricos. Ao propósito, vários medicamentos têm sido utilizados. Entre eles estão os antiestrogênicos, os androgênicos, as gonadotrofinas, vitaminas A, C e E, entre outros. Alguns desses medicamentos aumentam por curto período de tempo o número de espermatozoides, porém, isso não se reflete em aumento das taxas de gravidez. Isso acontece porque o problema nesses pacientes é a qualidade dos espermatozoides e não apenas a quantidade. Em outros casos, o uso prolongado de certos medicamentos pode comprometer ainda mais a fertilidade já debilitada destes indivíduos.

O que fazer para conseguir a gestação?

Nesses casos é possível submeter-se a técnicas de reprodução assistida, principalmente a fertilização in vitro associada à micromanipulação de gametas. Esses métodos são comprovadamente eficazes para atingir a gravidez. Mesmo em pacientes com um número extremamente reduzido de espermatozoides, é possível a realização da fertilização in vitro.

Caso ainda tenha dúvidas, entre em contato comigo ou procure o IUP . Por certo ajudaremos você.


1 comentário

Infertilidade Conjugal | Urologista - Dr. Tiago Aguiar · 29 de junho de 2019 às 19:44

[…] Enfim, se você se interessa por infertilidade conjugal, não deixe de seguir @dr.gustavoborges para ficar informado. Ressalto ainda outro post sobre infertilidade do Blog que você pode acessar. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *